• Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, 98-A - 1070-066, Lisboa
  • Seg a Sex 8:30h - 19:30h / Sáb 9:00h - 13:00h / Dom ENCERRADO

Farmácia de Referência

em Portugal

Profissionalismo

Equipa Especializada

Satisfação dos Clientes

Adaptação às Necessidades
217 260 934 / 217 261 440

Imunidade: Importância da Vacinação

Imunidade: Importância da Vacinação

Atualmente, somos confrontados com tempos difíceis e de grandes desafios… Desde que o vírus Sars-Cov-2 (Covid-19) chegou a Portugal, tem sido incerta a possibilidade de voltarmos à normalidade. Como tal, as circunstâncias atuais reforçam algumas temáticas que em tempos pareciam esquecidas ou até desvalorizadas, como é o caso da importância da vacinação. Nunca se ouviu tanto falar da “vacina” e da “imunidade de grupo” como agora. Neste artigo daremos a conhecer alguns conhecimentos a reter sobre o tema!

O que é uma vacina?

Uma vacina corresponde a uma preparação de antigénios, partículas que o nosso organismo não reconhece embora sejam semelhantes a estruturas do microorganismo que provoca a doença. ​Ao ser administrada, dará origem a uma resposta específica do sistema imunitário (o sistema de defesa do nosso organismo) contra determinados microrganismos, criando assim uma proteção (imunidade) contra a doença causada por esses mesmos agentes patogénicos.

Portanto, a vacinação tem uma função preventiva, não causando doença. No entanto, também não a cura, mas sim evita o seu desenvolvimento ou atenua os sintomas da doença caso esta, mesmo assim, venha a ocorrer.

A vacinação é uma escolha individual?

Não! Além de trazer benefícios a nível individual, a vacinação de uma elevada percentagem da população (taxa de cobertura vacinal elevada) permite que se forme a imunidade de grupo. Esta, por sua vez, é responsável, em parte, pelo controlo e/ou erradicação (desaparecimento da doença numa dada região) das doenças.

Então, o que é a imunidade de grupo?

A imunidade de grupo assenta no princípio que se uma grande parte da população estiver vacinada, e portanto, imune a determinado vírus ou bactéria, garante que, se algum indivíduo for infetado, a doença não se espalha pelo resto da população.

Para além disso, a imunidade de grupo permite proteger alguns grupos que não podem, em algumas situações, ser vacinados. Como exemplo temos o caso de grávidas ou de crianças que não têm ainda idade para que lhes sejam administradas determinadas vacinas ou até doentes com o sistema imunitário enfraquecido, devido a algumas doenças.

A vacinação é um ato de proteção, é um direito, mas também um dever, fundamental para toda a sociedade.

Medo ou desconfiança em se vacinar?

Existe, nos últimos anos, uma vaga de medo e desconfiança em relação às vacinas. Embora em Portugal ainda não seja evidente, pela Europa a não vacinação, já deu origem a alguns surtos, como por exemplo surtos de sarampo.

As pessoas que não se querem vacinar não valorizam o efeito das vacinas porque não conhecem os seus efeitos e consequências. Tal comportamento é errado, visto que os programas de vacinação têm permitido erradicar muitas doenças, como a varíola, e controlar outras como é o caso da poliomelite, do sarampo, entre outras.

Felizmente, a maioria dos pais atualmente, e também alguns profissionais de saúde, nunca viram uma criança paralisada por poliomelite, a sufocar por causa da difteria, com lesões cerebrais por causa do sarampo ou a morrer por causa de tosse convulsa, não tendo portanto a noção da gravidade dessas doenças e dos benefícios incalculáveis conferidos pela vacinação em larga escala.

As vacinas são seguras?

Após vários anos de experiência e milhões de vacinas administradas em todo o mundo, percebeu-se que as vacinas têm um elevado grau de segurança, eficácia e qualidade, logo são seguras. Por isso, todas as crianças e todos os adultos devem cumprir os esquemas de vacinação recomendados para a sua idade e o seu estado de saúde.

Imunidade: Importância da Vacinação

Programa Nacional de Vacinação

O Programa Nacional de Vacinação é um programa universal gratuito e acessível a todas as pessoas presentes em Portugal. Tem como objetivo a proteção eficaz através da vacinação, quer dos cidadãos, quer da população em geral contra as doenças com maior potencial de constituírem ameaças à saúde pública e individual.

Sabe quando foi criado, em Portugal, o Programa Nacional de Vacinação (PNV)?

O PNV foi criado em 1965 e desde essa data está em permanente revisão e melhoria, visando, vacinar o maior número de pessoas com as vacinas mais adequadas, o mais precocemente possível, de forma duradoura. Assim, promove a proteção individual sendo uma mais-valia para a Saúde Pública.

Em 1965, ano da implementação do PNV, este conferia proteção contra 6 doenças, enquanto que o PNV em vigor (PNV 2017) confere proteção contra 12 doenças. Algumas das vacinas não incluídas no PNV embora confiram proteção a quem as toma, não demonstraram, até à data, proporcionar tantos ganhos na saúde da população como as do PNV.

As vacinas para integrar o PNV são selecionadas com base na epidemiologia das doenças, na evidência científica do seu impacto, na sua relação custo-efetividade e na sua disponibilidade no mercado.

Conhece estas doenças? Descubra as diferenças…

Entre 1956 e 1965 (anos anteriores ao estabelecimento do Programa Nacional de Vacinação em Portugal) os casos declarados e as mortes por estas doenças eram muito superiores aos atuais:

Programa Nacional de Vacinação

Perguntas frequentes sobre a vacinação

Todas as pessoas têm direito à vacinação?

Sim! Todas as pessoas têm acesso à vacinação gratuita e segura pois os programas nacionais de vacinação permitem que todas as pessoas recebam as vacinas de acordo com a sua idade e em serviços de saúde competentes.

O que deve fazer se tiver uma vacina em atraso?

Se por qualquer motivo houver atraso numa vacina, dirija-se ao seu centro de saúde para lhe ser administrada a vacina em falta, mesmo que já tenham sido ultrapassadas as idades ou datas recomendadas.

Todas as crianças devem ser vacinadas?

Sim! Para se conseguir controlar uma doença é necessário que uma grande proporção de pessoas esteja vacinada. A eliminação do sarampo, por exemplo, requer que pelo menos 95% das pessoas estejam vacinadas. Cada pessoa não vacinada corre o risco de adoecer e aumenta o risco de transmitir a doença na comunidade.

Ao fim de quanto tempo após ser administrada a vacina é que fica protegido?

O tempo até se atingir a proteção contra a doença depende da vacina. Para algumas vacinas, como é o caso da difteria, tétano e tosse convulsa, são necessárias 3 doses em intervalos recomendados para se considerar que existe proteção completa contra essas doenças. São também necessários reforços regulares para a manutenção da proteção ao longo do tempo.

Mesmo nas vacinas que necessitam de várias doses, após cada administração já poderá haver alguma proteção (incompleta), que surge geralmente entre 2 semanas ou mais, após cada dose.

Concluindo, como pode constatar neste artigo a Vacinação não só é importante para se proteger de algumas doenças, como também para proteger a comunidade da propagação das mesmas. Por isso, faça a sua parte, vacine-se e vacine a sua família e contribuia para um estilo de vida e ambiente saudáveis.

Alguma dúvida sobre o assunto aqui abordado, saiba que a equipa da Farmácia Aguiar está disponível para cuidar de SI.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">HTML</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Olá, em que podemos ajudar?
X
Iniciar Conversa
Encomende mais rápido!
Olá,
Agora através do whatsapp já é possível fazer encomendas, enviar prescrições médicas e pedir aconselhamento.